Estudos Bíblicos

ORANDO A PALAVRA: AS ORAÇÕES DE JESUS

25/07/2018
Nenhum Comentário



Todas as orações de Jesus deveriam se tornar as orações de todos os cristãos. Orando as orações de Jesus, envolvemo-nos na mais elevada forma de discipulado. Para o discípulo é suficiente ser como seu mestre, e o escravo, como seu senhor (Mt 10.25). Jesus não somente orava mais do que qualquer outra pessoa, mas as suas orações também se diferenciavam de todas as demais orações da Bíblia. Muito embora fosse plenamente humano, Ele já tinha um conhecimento perfeito, tanto das palavras como do propósito das Escrituras desde sua infância. Assim sendo, quando Ele estava no templo, com os seus tenros doze anos de idade, conseguiu dialogar com os seus mestres de tal forma que todos que o ouviam se admiravam de seu entendimento e de suas respostas (LC 2.47). A medida que crescia, Jesus ia a lugares solitários para orar (veja Marcos 1.35). Ele orava com tanta intensidade que as suas orações vinham em alta voz e com lágrimas (Hb 5.7). Uma vez Ele orou tão fervorosamente que seu suor caía na terra como gotas e sangue (LC 22.44). O estilo de vida de oração que Jesus nos deu como modelo quase nunca foi tocado pela maioria os cristãos. Mas, quando as orações de Jesus são oradas de volta Para Ele, lentamente passamos a entender o que Ele Obviamente sabia sobre o poder da oração. As palavras de 0 dirigirão às experiências de oração Dele, e, então, à de Filho que Ele mesmo desfrutava com o seu Pai.

Vemos assim que Jesus estabeleceu um relacionamento com Yahweh que era radical para a sua época. Até aquele momento, ninguém na história jamais havia se dirigido ao Senhor Deus Todo-Poderoso da forma como Jesus o fazia. Os judeus devotos tinham medo até mesmo de usarem o nome de Deus, Yahweh. Temiam tomar o seu nome em vão. Para evitar isso, minuciosos sistemas foram estabelecidos para que os judeus pudessem se referir a Yahweh sem de fato pronunciarem o seu nome. Os judeus diziam Adonai, que significa “meu Senhor”. Mais tarde no período medieval, as vogais de Adonai foram anexadas às consoantes y, h, w e h, resultando na palavra Jehovah. Portanto, foi um enorme choque o fato de Jesus aparecer da extremidade oposta e dirigir-se a Deus como Aba Pai ou Querido Papai (veja Marcos 14.36). Esse termo carinhoso não era nada menos do que revolucionário. Nem mesmo os escravos podiam dirigir-se ao dono da casa como Aba, porque esse termo era considerado pessoal demais. Normalmente, apenas as crianças pequenas usavam essa palavra inocente e comum, referindo-se aos seus próprios pais. Mas um judeu jamais se dirigiria a Deus de uma forma tão familiar assim. Portanto, Jesus estava abrindo aporta a um nível totalmente novo de intimidade ao instruir os seus discípulos a orarem: Pai nosso que estás no céu (Mt 6.9). Jesus nos introduz em um novo relacionamento com Deus — que se assemelha à intimidade e familiaridade entre um papai e seu filhinho.

As orações de Jesus também são únicas no sentido de que Ele ainda está orando essas orações hoje. O autor de Hebreus nos encoraja, dizendo: Mas, visto que ele vive para sempre, seu sacerdócio é permanente, Portanto, ele é capaz de salvar de uma vez por todas aqueles que se aproximam de Deus por meio dele. Ele vive sempre para interceder em favor deles (Hb 7.24, 25). Num sentido bastante real, Ele está orando por você neste exato momento. A oração de Jesus por Pedro torna-se um exemplo de que Ele está orando por nós agora. Naquela ocasião, Jesus disse a Pedro: Simão, Simão, Satanás pediu [intimou para juízo] para peneirar cada um de vocês [plural] como trigo. Contudo, supliquei em oração por você [singular], Simão, para que sua fé não vacile (LC 22.31 ,32). Jesus não estava dizendo que apenas Pedro seria provado e testado, Ele estava indicando que todos os 12 discípulos seriam testados e provados e que Ele orava por todos. No entanto, Ele orou por Pedro especificamente, ao dizer: Supliquei em oração por você… Portanto, quando tiver se arrependido e voltado para mim, fortaleça seus irmãos (Lc 22.32). Pelo fato de Jesus ainda estar vivo e interceder por nós, essa oração refere-se a todos nós que, de maneira semelhante, somos escolhidos para passarmos por tribulações e provações. Quem dentre nós não precisa da contínua e incessante intercessão de Jesus? Falando na prática, poderíamos fazer -uma substituição e colocar os nossos próprios nomes nas de Jesus ou orá-las por nossos próprios discípulos. Portanto, quando você estiver orando as orações de Jesus, estará se unindo a Ele em sua intercessão celestial. maneira, as orações de Jesus são tao relevantes hoje foram ao ser oradas pela primeira vez.

Contudo, ainda há outras formas de abordarmos essas orações. Quando começamos a orar as orações de Jesus, começamos orando o texto literalmente, concordando com nos contextos histórico e teológico das pessoas e coisas pelas quais Ele orou. Quando Ele ora pelos seus discípulos, pedindo a Deus por algo, você também pode adotar o mesmo contexto histórico. Comece as suas próprias orações lembrando-se, simplesmente, dos 12 discípulos que estavam com Ele durante o seu intenso ministério e da igreja que surgiu do testemunho deles. Quando você ora a oração de Jesus: Glorifica teu Filho, para que ele te glorifique (Jo 17. l) você está concordando com Jesus e continuando a orar pela manifestação da glória do Filho. Pode ser uma simples oração de concordância, pela qual também ansiamos que Jesus seja glorificado hoje, que a sua vida e paixão continuem a glorificar o Pai agora. Dessa forma, estaremos orando hoje pelas mesmas coisas que Jesus orava em sua época.

Num nível mais profundo, à medida que o intercessor continua orando essas orações vez após vez, dizendo as mesmas palavras que Jesus disse, torna-se mais aparente a forma como Jesus pensava. O que Jesus estava pedindo? Quais eram as suas preocupações? Orando as suas palavras, entramos em sua mente e em seu espírito — a sua paixão, Em pouco tempo, as suas preocupações tornam-se as nossas preocupações, e as suas palavras, as nossas palavras. Enquanto isso acontece, podemos começar a aplicar as mesmas orações à nossa própria vida. Também podemos pedir que Deus seja glorificado em nossa vida por meio das nossas ações, Podemos pedir que a sua vontade seja feita em nossas escolhas. Podemos orar por nossa própria família, amigos e entes queridos da _mesma maneira que Jesus orava pelos seus discípulos, As suas preocupações relação a seus discípulos eram sobre proteção e unidade (veja João 1 7,11, 12), sobre alegria no meio de um hostil (veja João 17,13-16) e para que a santidade prática crescesse pela Palavra da verdade (veja João 17.17-19). E um pequeno passo para qualquer cristão consagrado transformar esses textos clássicos em orações básicas por seus próprios discípulos. Uma vez mais, vemos a aplicação das orações de Jesus em nossa própria vida.

Além disso, orando as orações de Jesus como se fossem as nossas próprias orações, tornamo-nos tipos de Cristo (“ungidos”) pedindo essas coisas a Deus para nós mesmos. Como foi mencionado anteriormente, Jesus desfrutava de um lugar especial como Filho de Deus, e, como tal, conversa- a com Deus com uma ousadia desconhecida por outros. João 17 está repleto de assuntos que o cristão comum jamais ousaria proferir. Mas, à medida que oramos essas palavras, lentamente começamos a nos dar conta de que assim como tu [o Pai] me enviaste [o Filho] ao mundo, eu [Jesus] os envio [todos os cristãos] ao mundo (Jo 17.18). Nós devemos fazer o que Jesus fez, porque Jesus nos deu a h mesma glória que o Pai lhe deu (veja João 17.22). Portanto, nós também deveríamos glorificar o Pai com a nossa vida, exatamente como Jesus fez com a Dele (veja João 17.1). Uma vez que o Pai concedeu a Cristo autoridade sobre to- das as pessoas, Jesus, por sua vez, é capaz de dar aos seus seguidores autoridade para saírem em seu nome e chamarem os outros à vida eterna em Cristo Jesus (veja Mateus 28.18). O fato de orarmos as orações de Jesus permeia e inspira o nosso espírito com o entendimento de que toda a nossa vida deve seguir o padrão de toda a vida Dele. Também vemos que temos um trabalho a realizar à medida que nos movemos na direção da nossa própria paixão, quando nós também seremos ressuscitados incorruptíveis e com um corpo glorioso, O Pai nos glorificará quando formos a Ele (veja I Coríntios 15.40-42). Paulo até mesmo ora para que conheçamos, com um conhecimento íntimo, a esperança, a herança e a suprema grandeza de seu poder para conosco, os que cremos. E o mesmo poder grandioso que ressuscitou Cristo dos mortos e o fez sentar-se no lugar de honra, à direita de Deus, nos domínios celestiais (Ef 1. 19,20).

Isso é fantástico! O poder que ressuscitou Jesus dentre os mortos e trouxe glória ao Pai é o mesmo poder que está em nós agora, enquanto estamos vivos! Orar as orações de Jesus nos leva ao lugar em que Jesus estava, ao lugar onde Ele deseja que estejamos.

Posteriormente, ao orarmos as orações de Jesus, estaremos moldando a nossa vida segundo a Dele. Pedro disse: Porque Deus os chamou para fazerem o bem, mesmo que isso resulte em sofrimento, pois Cristo sofreu por vocês. Ele é seu exemplo; sigam seus passos (l Pedro 2.21). A palavra “exemplo” vem da palavra composta grega hupo, que significa “embaixo” e grammos, que significa “escrita” — literalmente, um “subscrito, assinatura”. A vida de Jesus é o protótipo ou o padrão, a matriz de onde nós, como cristãos, delineamos a nossa vida. Somos seus imitadores. E, no início da nossa caminhada cristã, nada melhor que substituirmos os pronomes das Escrituras pelo nosso nome, o que torna mais pessoal o fato de orarmos e recitarmos as Escrituras. Enchendo o nosso coração e a nossa boca com as próprias palavras de Jesus, a sua essência se forma em nós, Começamos a crer que realmente somos cristãos – pequenos Cristos cujo propósito é vivermos a mesma vida sobrenatural e milagrosa que Jesus viveu.

Por fim, incluímos “A Oração a Jesus”, que se desenvolveu a partir do desejo de seguirmos o mandamento bíblico de orar sem cessar. Ela recebeu vários nomes ao longo da história da igreja, como, por exemplo, “oração da respiração”, “oração centralizadora”, “oração monástica” e oração contemplativa”. Muito embora existam diferentes nomes e nuanças, a essência desse estilo de oração é a mesma. E uma forma de oração extremamente simples e pura, que nos leva à presença de Deus. Qualquer pessoa pode usar esse método, porque é uma oração baseada na experiência, e não no intelecto. Moisés disse, certa vez, ao Senhor: Se não nos acompanhares pessoalmente, não nos faças sair deste lugar (Êx 33.15). Numa só sentença, Moisés capturou o anseio da “Oração a Jesus”. O seu / desejo é permanecermos constantemente na presença manifesta de Deus. Essa sublime meta de oração perpétua é alcançada de uma forma bastante simples. O autor de The Cloud of Unknowing [“A nuvem do desconhecido”] diz: “Uma palavra de uma sílaba, como, por exemplo, ‘Deus’ ou ‘amor’, é melhor. “1 Repetindo-se uma palavra Z/ ou frase vez após vez até que se torne para nós tão natural quanto o nosso respirar, o nosso espírito fica tão imerso na comunhão com Deus que conseguimos descansar à sombra do Todo-poderoso (SI 91. l), permanecer Nele, a videira (Jo 15.4) e nunca deixar de orar (l Ts 5.17).

Esse método de oração originou-se na época dos Pais do Deserto e foi incorporado à tradição grego-ortodoxa mais tarde. As três ou quatro frases simples que os Pais do Deserto escolheram para orar vieram de uma parábola que Jesus contou em Lucas 18,9-14. Mais tarde, ela foi modificada para que se dirigissem ao Senhor Jesus, e daí veio o título “A Oração a Jesus”. A oração é a seguinte: “Jesus Cristo, Filho de Deus, tem misericórdia de mim, pecador!” Pequenas diferenças podem trazer mudanças no sentido de que você pode dirigir a oração ao nosso Senhor Jesus Cristo ou você pode omitir a palavra “pecador”. Mas, no final, é uma frase ou pensamento simples, sutil como uma respiração, que requer foco para dirigir a mente a fim de afetar o coração, e, em última análise, mover o espírito.

Uma excelente ilustração disso encontra-se em The Way of a Pilgrim [“O Caminho de um peregrino”], uma linda história de um camponês russo que estava buscando a resposta de como orar sem cessar. Depois que o seu mentor lhe disse para orar “A Oração a Jesus” até 12 mil vezes por dia, ele finalmente tornou-se um perito nisso e foi então arrebatado à presença de Deus. Ele descreve a sua experiência, dizendo:

Depois de receber essa instrução, passei o resto do verão recitando o nome de Jesus vocalmente e gozei de grande paz. Enquanto eu dormia, frequentemente sonhava que estava orando. E, se por acaso me deparasse com pessoas durante o dia, todas elas me pareciam parentes, muito embora eu não as conhecesse. Os meus pensamentos haviam me sossegado completamente; eu pensava somente na oração à qual o meu coração começou a ouvir, e o meu coração mostrou um certo calor e alegria… A minha cabana solitária era para mim um esplêndido palácio, e eu não sabia como agradecer a Deus por enviar a mim, um grande pecador, um ancião tão santo assim para me conduzir. Assim sendo, agora ando e oro a Oração a Jesus sem cessar, e isso é mais precioso para mim do que qualquer outra coisa do mundo. Ando num estado semiconsciente, sem preocupações, interesses e tentações. O meu único desejo e atração é por solitude e incessante recitação da Oração a Jesus, Isso me deixa feliz. Deus sabe o que tudo isso significa. (HELEN, Bacovcin, trans., The Way of a Pilgrim: A Classic of Orthodox Spirituality [“O caminho de um Peregrino: Um Clássico da Espiritualidade Ortodoxa”] (New York: Image Books, 1978), págs. 23, 24)

Dessa maneira, se estivermos nos movimentando na direção da experiência de comunhão contínua com Deus, orando “A Oração a Jesus” ou entrando na mente de Cristo, por meio das mais extensas e didáticas orações de Jesus, devemos seguir a -Jesus em seu exemplo de oração. Ele nos ensinou a orar por palavras e ações. Portanto, todas as orações de Jesus deveriam se tornar as orações de todos os cristãos.

Trecho extraído livro produzido pela ORVALHO.COM – CAMPBELL, WESLEY E STACEY. ORANDO A PALAVRA  p. 167 – 175

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *